Os dois anúncios acima são exemplos fantásticos do uso do discurso demonstrativo na propaganda. Suas histórias envolvem o leitor, levando à reflexão a partir de um conceito poderoso: “Se uma página o faz pensar, imagine um livro.”

No livro Razão e Sensibilidade no Texto Publicitário, Carrascoza explica mais sobre esse tipo de discurso, suas características, usos e vantagens. Veja alguns trechos:

“O discurso demonstrativo ou epidíctico é voltado para o elogio ou a censura.

É um discurso que visa persuadir, já que, se em primeira instância faz a apologia do produto, em última o faz para aconselhar o auditório a experimentá-lo.

É adotado preferencialmente para defender valores tradicionais, valores já aceitos, que não suscitam polêmica.

A maior parte dos anúncios concebidos sob esse formato é de produtos já há muito conhecidos do público, ou de marcas absolutas – que dominam seu segmento e estão no top of mind. É preferido pelos redatores quando a mensagem se destina ao um grupo de elite.

Cumpre um objetivo mais de cunho institucional.

Ou em casos em que os elementos persuasivos racionais venham se mostrando inadequados.

Ou mesmo em anúncios em que haja pouco a se dizer sobre o funcionamento, as vantagens e a indispensabilidade do produto ou serviço anunciado (seus valores tradicionais).

Assume o formato de narrativas verbais, semelhantes a fábulas, crônicas ou contos.

Busca influenciar o público contando histórias. É nessa maneira indireta que está a força da sua carga suasória. Como tão bem apontou o escritor Jorge Luis Borges, ‘qualquer coisa sugerida é bem mais eficaz do que qualquer coisa apregoada.’

O destinatário tem a impressão, lendo um anúncio desse tipo, de estar diante de um slice of life, um instantâneo da vida cotidiana, que poderia ser a sua própria.”
Percebeu, galera, como a busca para conquistar o público-alvo é feito aqui também por meio da emoção, do humor, do divertimento lúdico?
Anúncios