Ele tinha um enorme coração de ouro. Só que não gostava de se gabar, então fingia que era um crápula. Funcionava. Todos achavam que ele era um pulha. À noite, na cama, ele se compadecia e se penitenciava: “Deus, como é fácil enganar as pessoas!”

Anúncios