Olha, eu gosto do filme da campanha. Gosto mesmo. Acho que tem um ponto de virada impactante e coloca o dedo na ferida: negligência mata.

O problema, ao meu ver, são as peças gráficas/mobiliário urbano. Elas causam dúvidas, são esquisitas. A mulher que resgata animais nas ruas pode matar porque está resgatando o animal nas ruas? O melhor aluno da sala pode matar porque pode ter um surto do nada e entrar na escola com uma metralhadora?

É, penso que agência teria que mais cuidado na escolha das personagens e situações e explorar/destacar mais o conceito: “GENTE BOA TAMBÉM PODE MATAR”.

Bem, eles alertaram para a negligência, mas foram negligentes aí. Não foram, não?

Anúncios